Avaliação do centro histórico da cidade de Braga - Portugal a partir dos princípios de desenho universal

Francisco Monteiro Sales Júnior, Verônica Maria Fernandes de Lima, André Luis Santos de Pinho, José Guilherme Santa Rosa, Maria Altina Silva Ramos, Charles Bamam Medeiros de Souza

Resumo


O objetivo da pesquisa foi realizar uma avaliação da área pedonal do centro histórico da cidade de Braga, em Portugal, a partir dos princípios do desenho universal, especificamente uso equitativo, flexível, simples e intuitivo, informação de fácil percepção, tolerância ao erro, mínimo esforço físico e dimensão de espaços para acesso e uso abrangente. Caracterizada como descritiva, os dados foram coletados a partir de observação de campo, registro fotográfico e entrevistas abertas com transeuntes, sendo posteriormente tratados e categorizados a partir de análise qualitativa. Os resultados apontaram para aspectos positivos de acessibilidade, como a adequação para as áreas de passeio e circulação de pedestres, e negativos, como a presença de obstáculos em passeios, a não conformidade de rampas para acesso a prédios e o baixo suporte para deficientes auditivos e visuais. 


Palavras-chave


acessibilidade; espaço urbano; área pedonal

Texto Completo:

PDF

Referências


ASSIS, E. (2012). Acessibilidade nos bens culturais imóveis: possibilidade e limites nos museus e centros culturais. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16133/tde-23052012-144557. Acesso em: 12 set. 2015.

BERNARDI, N. (2007). A aplicação do conceito do Desenho Universal no ensino de arquitetura: o uso de mapa tátil como leitura de projeto. (Doctoral dissertation, Tese (Doutorado)-Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo. Campinas, SP:[sn]). BESTETTI, M. L. T. (2014). Ambiência: espaço físico e comportamento. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17(3), 601-610. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&- pid=S1809-98232014000300601&lng=en&tlng=pt. 10.1590/1809-9823.2014.13083. Acesso em: 12 set. 2015.

BURGSTAHLER, S. (2001). Equal Access: Universal Design of Instruction. University of Washington. DO-IT (Disabilities, Opportunities, Internetworking, and Technology). Disponível em: http://www. washington.edu/doit/equal-access-universal-design-instruction. Acesso em: 12 set. 2015.

BUSTOS, C.; SCHERER, F. V., & BAKOS, F. (2011). Leitura e análise da comunicação visual no espaço urbano. InfoDesign (SBDI.Online), v. 8, p. 01 – 09

CAMBIAGHI, S. (2007). Desenho Universal: métodos e técnicas para arquitetos e urbanistas. São Paulo: Editora Senac. 272p.

COHEN, R.; DUARTE, C. R.; BRASILEIRO, A. (2008). O acesso para todos à cultura e aos museus do rio de janeiro. Actas do I Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola, Rio de Janeiro, v. 2, p.236-255, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

CORRÊA, R.M. (org) (2008). Avanços e desafios na construção de uma sociedade inclusiva. Belo Horizonte: Sociedade Inclusiva/PUC-MG, 2008.

DORNELES, V. G. ; AFONSO, S.; & BINS ELY, V. H. M. (2013). O desenho universal em espaços abertos: uma reflexão sobre o processo de projeto. Gestão & Tecnologia De Projetos, 1(8), 55. Acesso em 15 set. 2015. doi:http://dx.doi.org/10.4237/gtp.v1i8.251

GALVÃO FILHO, T. A. (2009). Tecnologia Assistiva para uma Escola Inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia: Salvador. Disponível em Acesso em 14 ago 2015.

GIL, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. Ed. São Paulo: Atlas.

HANNA, E. L. (2005). Inclusive Design for Maximum Accessibility: a practical approach to Universal Design. San Antonio: Pearson Educational Measurement.

MACEDO, C. M. S. (2013). Diretrizes de Apoio à Criação de Objetos de Aprendizagem Acessíveis. Info-design (SBDI. Online), v. 10, p. 123-136.

MATTOS, P. (2005). A entrevista não-estruturada como forma de conversação: razões e sugestões para sua análise. Rev. adm. publica;39(4):823-847, jul.-ago.

MAZZONI, A.; TORRES, E.; OLIVEIRA, R.; ELY, V.; ALVES, J. (2001). Aspectos que interferem na construção da acessibilidade em bibliotecas universitárias. Ciência da Informação, v. 30, n. 2, p. 29-34.

MINAYO, M. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Rio de Janeiro: Abrasco. MORAES, M. (2007). Acessibilidade no Brasil: Análise da NBR 9050. 2007. 173 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. NASSRALLAH, M. (2015). Casa acessível – Casa para vida inteira – Desenho Universal. Disponível em: . Acesso em 3 ago. 2015

OLIVEIRA, C.; NUERNBERG, A.; NUNES, C. (2013). Desenho universal e avaliação psicológica na perspectiva dos direitos humanos. Avaliação Psicológica, 12(3), 421-428. Disponível em: http://pepsic. bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712013000300017&lng=pt&tlng=pt. > Acesso em 14 ago 2015.

OSTROFF, E. (2001). Universal Design: The new paradigm. Em: W. F. E. Preiser, & E. Ostroff (Orgs.), Universal Design Handbook. McGraw-Hill Professional. Disponível em: http://books.google.com.br/ books/about/Universal_design_handbook. html?id=FJSomQUmjf4C. > Acesso em 14 ago 2015.

PASCHOARELLI, L. C.; MENEZES, M. (orgs ) (2009). Design e ergonomia: aspectos tecnológicos [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 279 p. ISBN 978-85-7983-001-3. Disponível em: SciELO Books .

ROMANINI, A.; MARTINS, M. (2014). Projeto de habitação de interesse social inclusiva. In: Anais do NUTAU 2014 - Megaeventos e Sustentabilidade: Legados tecnológicos em Arquitetura, Urbanismo e Design. São Paulo / SP.

SILVA, E.; MENEZES, E. (2005). Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4.ed. Florianópolis: UFSC, 2005. Disponível em: https://projetos.inf.ufsc.br/arquivos/Metodologia_de_pesquisa_e_elaboracao_de_teses_e_dissertacoes_4ed.pdf. Acesso em: 10 jan. 2015.

STORY, M.; MUELLER, J.; MACE, R. (1998). The universal design file: Designing for people of all ages and abilities. Raleigh, North Carolina State University. Disponível em: www.ncsu.edu/ncsu/design/ cud/pubs_p/pud letoc.htm. Acesso em: 10 set. 2015.

TIZIOTTO, S. (2013). O design universal na editoração de material didático como agente motivador e estimulador da autoeficácia para a aprendizagem. Dissertação de Mestrado, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18157/tde-04072013-093527/. Acesso em: Acesso em: 14 set. 2015.