Doenças ocupacionais em cirurgiões dentistas

Carlos Henrique Damin, Ana Cristina Maurício Ferreira, Olympio José Pinheiro

Resumo


As doenças ocupacionais ocorrem a partir das atividades desenvolvidas no âmbito do trabalho, comumente pelo excesso de uso do sistema musculoesquelético. Na rotina de trabalho do dentista, muitas vezes exaustiva, considerando a interface profissional/mobiliário odontológico, podem ocorrer problemas físicos relacionados à realização de suas atividades. Mobiliário inadequado, falta de alongamento, posturas erradas e falta de pausas levam ao surgimento distúrbios físicos, como lesões ou dores e ao afastamento profissional. Assim, o objetivo deste trabalho foi verificar a presença de doenças ocupacionais em profissionais que realizam o atendimento odontológico. Para isto foi aplicado, em dentistas, um protocolo de avaliação de desconforto postural, onde foi possível concluir que, quando o ambiente odontológico não é organizado considerando os conceitos ergonômicos e os equipamentos são utilizados de forma a forçar uma postura incorreta, o cirurgião dentista pode sofrer males físicos. 


Palavras-chave


cirurgião dentista; doenças ocupacionais relacionadas ao trabalho; ergonomia

Texto Completo:

PDF

Referências


ABERGO. (2002). Código de Deontologia do Ergonomista Certificado. Norma ERG BR 1002, 2002. Disponível em: http://www.abergo.org.br/arquivos/normas_ergbr/norma_erg_br_1002_ deontologia.pdf. Acesso em: 30 mai 2015.

ALVAREZ, B. R. (2001). O papel da ginástica laboral nos programas de promoção de saúde.

In: Congresso Brasileiro de Atividade Física. Florianópolis. UFSC, 17-18.

BARRETO, H. J. J. (2001). Como prevenir as lesões mais comuns do cirurgião dentista.

Revista Brasileira de Odontologia, Rio de Janeiro/RJ.

BARROS, O. B. (1991). Ergonomia 1: A e ciência ou o rendimento e a filosofia correta de trabalho em Odontologia. São Paulo: Pancast Editorial.

BRASIL. (1990). Portaria GM n° 3751 de 23 de novembro de 1990. Brasília: Ministério do Trabalho e da Previdência Social.

BRASIL. (1978). Portaria GM n.o 3.214 de 08 de junho de 1978. Brasília: Ministério do Trabalho. Norma Regulamentadora 17.

CASTRO, S. L.; FIGLIOLI, M. D. (1999). Ergonomia aplicada a dentística: avaliação da postura e posições de trabalho do CD destro e da auxiliar odontológica em procedimentos restauradores. Jornal Brasileiro de Clínica Odontológica Integrada. Curitiba/PR.

COUTO, H. A. (1995). Ergonomia aplicada ao trabalho: o manual técnico da máquina humana.

Belo Horizonte/MG.

GARBIN, A. J. I. A. (2008). Ergonomia e o cirurgião-dentista: uma avaliação do atendimento clínico usando análise de lmagem. Revista odonto ciência. v. 23, n. 2, 130-133.

GRAÇA, C. C., ARAÙJO, T. M., CRUIFF, E.P.S. (2006). Desordem musculoesqueléticas em cirurgiões dentistas. Sitientibus. Feira de Santana, n.34, p.71-86, jan/jul.

JESUS, C. S.; SILVA, H. P. L. (2013). Sintomas osteomusculares em cirurgiões-dentistas da rede pública. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, v. 57, n. 1, p. 44-48, Disponível em: http://www.upf.br/seer/index. php/rfo/article/view/1636/1080. Acesso em: 01 jun. 2015.

LEWITH, G.T, KENYON, J.N. (1984). Physiological explanation for the mechanism of acupunture as a treatment for chronic pain. Social Science & Medicine. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/ pubmed/6085191. Acesso em: 01 mar. 2015.

MCARDLE, W. D; KATCH, F. I; KATCH, V. L. (1998). Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

MONTELO, I. S.; ROCHA, C. C.; SOUZA, D.S. (2007). Benefícios proporcionados pela ginástica laboral. 45 f. Monogra a (Especialização) - Curso de Educação Física, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Rondônia, Ji-paraná. Disponível em: www.def.unir.br/downloads/1210_beneficios_proporcionados_pela_ginastica_laboral.pdf. Acesso em: 01 jun. 2015.

NARESSI, W. G. (2005). Ergonomia em odontologia: o consultório: sua instalação, o ambiente físico de trabalho, o equipamento e a distribuição na sala clínica.

PERNAMBUCO. (2001). Manual de biossegurança no atendimento odontológico. Secretaria Estadual de Saúde, Pernambuco.

PRESTA, A. A.; GARBIN, C. A. S.; GARBIN, A. J. I.; SALIBA, O. (2004). Avaliação de ocorrência de doenças e acidentes ocupacionais entre acadêmicos de odontologia. Revista da Faculdade de Odontologia - UFP, v. 9, n. 1, p. 113-117. Disponível em: http://www.upf.br/seer/index.php/rfo/article/view/1636. Acesso em: 01 jun. 2015.

REGIS FILHO; G.; MICHELS, G.; SELL, I. (2005). LERs: Lesões por esforços repetitivos em cirurgiões-dentistas: aspectos epidemiológicos, biomecânicos e clínicos. Tese (doutorado em) Itajaí: Universidade do Vale do Itajaí, 280p.

ROCHA, L. E.; FERREIRA JUNIOR, M. (2000). Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. apud JUNIOR, M. F. Saúde e Trabalho: temas básicos para o profissional que cuida da saúde dos trabalhadores. São Paulo: Roca, cap. 11, p. 286-319.

RUCKER, L. M. (2000). Technology meets ergonomics in the dental clinic: new toys for old games?. The Journal of the American College of Dentists. Disponível em: http://europepmc.org/abstract/ med/10941230. Acesso em 10 mar. 2015.

SANTOS, H. (2014). Funções do Sistema Muscular. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2015.

SAQUY, P.C et al. (1996). A ergonomia e as doenças ocupacionais do cirurgião dentista. Parte 2 - a ergonomia e os agentes mecânicos. ROBRAC.

SILVESTRI, A. C.; CANOVA, C.; SILVA, L. K.; MOREIRA, H. S. B.; BERTOLINI, G. R. F. (2015). Análise postural e prevalência de processos álgicos em estudantes de odontologia. Movimento & Saúde Revista Inspirar. v. 7, n. 1: 1-5. Disponível em: http://inspirar.com.br/revista/wp-content/ uploads/2015/05/artigo_360-2013-2.pdf. Acesso em: 04 ago. 2015.

SOUZA, I. M. A.; VASCONCELOS, T. B.; BASTOS, V. P. D.; FARIAS, M. S. Q. (2012). Avaliação da dor e lesões ocasionadas pelo trabalho em cirurgões-dentistas na cidade de Fortaleza/CE. Revista Fisioteria e Saúde Funcional. Fortaleza, v 1, n 2:35-41. Disponível em: http://www.fisioterapiaesaudefuncional.ufc.br/index.php/fisioterapia/article/view/153/pdf. Acesso em: 03 jun. 2015.

TRINDADE, E.; ANDRADE, M. (2003). LER/DORT: Rotina dolorosa. Rev. ABO Nac.

VASCONCELLOS, L. C. F.; GAZE, R. (2009). Integralidade e doenças dos trabalhadores. 26 f. Medicina, Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Itaipava, 2009. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2015.

WHOQOL GROUP. (1994). Measuring quality of life. Disponível em: http://www.who.int/mental_heal- th/ media/68.pdf. Acesso em: 01 jun. 2015.