Implicações da ausência do equipamento de transferências de pacientes na saúde do profissional da enfermagem

Thiago Silva Morandi, Ana Cristina Maurício Ferreira, Jefferson Barela, Luis Carlos Paschoarelli

Resumo


Atualmente estabelecer uma interface entre homem e equipamento tem sido uma dificuldade quando se tem a presença de investimento financeiro envolvido. Profissionais da área da saúde, mais especificamente enfermeiros e técnicos de enfermagem apresentam altos índices de afastamento do trabalho, comumente relacionados às más condições ergonômicas que o ambiente de trabalho apresenta. Nem sempre gestores se preocupam com a saúde dos funcionários, mas quanto isto pode onerar a instituição. O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência de lesões físicas e afastamentos em profissionais da área de enfermagem que realizam procedimentos de transferência de pacientes sem equipamento adequado. Para isto foi realizada avaliação em uma instituição de saúde de médio porte, com aplicação de protocolo de avaliação musculoesquelética afim de verificar possíveis danos físicos e ocorrências de afastamentos. Com os resultados foi possível perceber que existe bastante queixa de dores em vários segmentos corporais e casos de afastamento das atividades de trabalho. 


Palavras-chave


equipamentos de transferência de pacientes; ergonomia; lesões ocupacionais

Texto Completo:

PDF

Referências


ABERGO – Associação Brasileira de Ergonomia (2003). Norma ERG BR 1002 – Código de Deontologia do Ergonomista Certificado.

Alexandre, N.M.C.; Angerami, E.L.S. (1993). Avaliação de determinados aspectos ergonômicos no transporte de pacientes. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v.21, n.77, p.81-90.

Alexandre, N.M.C. (2007). Aspectos ergonômicos e posturais e o trabalhador da área de saúde. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. v. 28, n. 2, p. 109-118.

Alexandre, N.M.C.; Rogante, M.M. (2000). Movimentação e transferência de pacientes: aspectos ergonômicos e posturais. Revista Escola de Enfermagem USP, v.34 n.2 p.165-73.

Batiz, E.C.; Vergara, L.G.L.; Licea, O.E.A. (2012). Análise comparativa entre métodos de carregamento de cargas e análise postural de auxiliares de enfermagem. Produção, São Paulo, v.22, n.2, p.02-04. Brasil. (1978). Portaria GM n.o 3.214 de 08 de junho de 1978. Brasília: Ministério do Trabalho. Norma Regulamentadora 9.

Carvalho, L.S.F.; Matos, R.C.S.; Souza, N.V.D.O.; Ferreira, R.E.D.S. (2010). Motivos de afastamento por licença de saúde dos trabalhadores de enfermagem. Ciência, Cuidado e Saúde. v. 9, n.1.

Célia, R.C.R.S.; Alexandre, N.M.C. (2003). Distúrbios osteomusculares e qualidade de vida em trabalhadores envolvidos com transporte de pacientes. Revista Brasileira de Enfermagem, v.56, n.5, p 494-499.

Chiodi, M.B.; Marziale, M.H.P. (2006). Riscos ocupacionais para trabalhadores de Unidades Básicas de Saúde: revisão bibliográfica. Acta Paulista de Enfermagem, v.19, n.2 p. 212-277.

Corlett, E. N.; Manenica, I. (1980). The effects and measurement of working postures. Applied Ergonomics.

Corrêa, J. A.; Paschoarelli, L. C.; Silva, J. C. P. da. (2004). Os problemas ocupacionais dos profissionais de enfermagem e a necessidade em aplicar design ergonômico nos equipamentos médico-hospitalar. Assentamentos Humanos (Marília), Marília, v. 6, n.1, p. 75-82.

Gallasch, C.H.; Alexandre, N.M.C. (2003). Avaliação dos riscos Ergonômicos durante a movimentação e transporte de pacientes em diferentes unidades hospitalares, Revista de Enfermagem da UERRJ, v.11 n.2, p.252-260.

Lelis, C.M.; Battaus, M.R.B.; Freitas, S.C.T. de; Rocha, F.L.R.; Marziale, M.H.P.; Robazzi, M.L.do C.C. (2012). Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em pro ssionais de Enfermagem: revisão interativa da literatura. Acta Paulista de Enfermagem. v.25, n.03, p. 477-482.

Marziale, M.H.P.; Robazzi, M.L.C.C. (2000). O trabalho de enfermagem e a ergonomia.

Revista Latino-Americana de Enfermagem; v.8, n.06, p.124 -127.

Parada, E.O.; Alexandre, N.M.C.; Benatti, M.C.C. (2002). Lesões ocupacionais afetando a coluna vertebral em trabalhadores de enfermagem. Revista Latinos Americana de Enfermagem.; v. 10,n.1, p. 64-69.

Paschoarelli, L.C.; Corrêa, J.A.; Wada, K.; Silva, J.C.P.da. (2008). Análise das Condições Biomecânicas e de Usabilidade de Equipamentos com Enfermeiros de Dois Hospitais Públicos Paulistas. In: Anais do 8o Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Paulo: Associação de Ensino e Pesquisa de Nível Superior de Design do Brasil. v. 1. p. 3957-3962.

Radovanovic, C.A.T.; Alexandre, N.M.C. (2002). Validação de um instrumento para avaliar a movimentação e transferência de pacientes. Revista Ciência, Cuidado e Saúde. v. 1, n. 2, p. 277-285.

Renner, J.S. (2005). Prevenção de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Boletim da Saúde. Porto Alegre. v. 19, n.1.

Rodrigues, L. H. ; Barela, J. ; Costa, W. B.; Paschoarelli, L.C.; Silva, J.C.P. da (2013). Problemas ergonômicos enfrentados por profissionais de enfermagem em ambientes hospitalares: aspectos da interface trabalhadores x equipamentos. Caderno de Estudos Tecnológicos, v. 01, p. 218-225.

Rosa, A.F.G.; Garcia, P.A.G.; Vedoato, T.; Campos, R.G.de; Lopes, M.L.da S. (2008). Incidência de LER/ DORT em trabalhadores de enfermagem. Acta Scientiarum Health Sciences, v.30, n.1. p.19-25.

Rossi, C.G.; Rocha, R.M.; Alexandre, N.M.C. (2001). Aspectos ergonômicos na transferência de pacientes: um estudo realizado com trabalhadores de uma central de transportes de um hospital universitário. Revista Escola de Enfermagem USP, v. 35 n.1 p. 249-256.

Silva, D.M.P.P da; Marziale, M.H.P. (2000). Absenteísmo de trabalhadores de enfermagem em um hospital universitário. Revista Latino Americana de Enfermagem Ribeirão Preto, v. 8, n.5 p. 44-51.