Uso de cadeira de rodas por idosos com fratura em membro inferior: uma avaliação ergonômica

Ana Clara Carraro Marmol, Ana Cristina Maurício Ferreira, Fausto Orsi Medola

Resumo


O envelhecimento populacional no Brasil e no mundo está alavancando e com ele o crescimento demográfico dos idosos fragilizados, o que aumenta a demanda de familiares e profissionais que utilizam diversas abordagens para intervir na qualidade de vida dessa população. Considerando este número significativo, avaliações e adequações ergonômicas devem ser feitas. A cadeira de rodas é um equipamento médico hospitalar não invasivo, ou seja, utilizado na sustentação externa do paciente. Sendo um dos recursos da tecnologia assistiva, configura-se como um elemento facilitador na realização das atividades cotidianas de pessoas que apresentam dificuldades ou restrições na mobilidade. Nesta pesquisa objetivou-se pesquisar as implicações físicas referentes à existência de dores ou de desconforto em idosos que fazem uso diariamente de cadeira de rodas. O método utilizado para a avaliação e verificação de tais ocorrências foi a aplicação de entrevista, onde foi possível verificar reclamações que evidenciam a necessidade de adequação ergonômica no equipamento. 


Palavras-chave


população Idosa; cadeira de rodas; ergonomia

Texto Completo:

PDF

Referências


ABERGO. Código de Deontologia do Ergonomista Certifado. Norma ERG BR 1002, 2002. Disponível em: http://www.abergo.org.br/arquivos/normas_ergbr/norma_erg_br_1002_ deontologia.pdf. Acesso em: 10 maio 2015.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Manual para regularização de Equipamentos Médicos na ANVISA: gerência de tecnologia em equipamentos médicos, Brasília, 2010. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/ 991239804745928e9ae1de3fbc4c6735/ manual_EquipMed_Anvisa_abr_10.pdf?MOD=AJPERES. Acesso em: 23 maio 2015.

ALEGRETTI, A. L.; CHAVES, E. S.; RIZO, L. R. Adequação Postural para o Usuário de Cadeira de Rodas. In: TEIXEIRA, Érika. Terapia ocupacional na reabilitação física. São Paulo: Roca, 2003.

ANDRADE, V. S; PEREIRA, L. S. M.. Influência da tecnologia assistiva no desempenho funcional e na qualidade de vida de idosos comunitários frágeis: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontolologia, Belo Horizonte, v. 1, n. 12, p.113-122, 2009. Disponível em: http://www. crde-unati.uerj.br/img_tse/v12n1/pdf/art_9.pdf. Acesso em: 14 mar. 2015.

ANTONELI, M. Prescrição de cadeira de rodas. In: TEIXEIRA, E. et al. Terapia ocupacional na reabilitação física. São Paulo: Roca, 2003.

CARRIEL, I. R. R.. Design ergonômico de cadeira de rodas para idoso. In: PASCHOARELLI, L. C.; MENEZES, M. S. Design e Ergonomia: aspectos tecnológicos. São Paulo: Cultura Acadêmica, p. 33-53, 2009. Disponível em: http://www.santoandre.sp.gov.br/pesquisa/ ebooks/342122.pdf. Acesso em: 15 abr. 2015.

CORLETT, E. N., MANENICA, I. The effects and measurement of working postures. Applied Ergonomics. Trondheim, v. 11, n. 1, p. 7-16, march. 1980.

COURY, H. J. C. G. Trabalhando sentado. 2.ed. São Carlos: UFSCar, 1995. 88p.

CRUZ, D. M. C. Papéis ocupacionais e pessoas com deficiências físicas: independência, tecnologia assistiva e poder aquisitivo. 2012. 229 f. Tese (Doutorado em Educação Especial)-Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. Disponível em: http://tocoletiva.com.br/wpcontent/ uploads/2012/08/ TeseDMCC.pdf. Acesso em: 15 mar. 2015.

DUARTE, Y. A. O processo de envelhecimento e assistência ao idoso. In: BRASIL Ministério da Saúde. Manual de enfermagem: IDS-USP-MS. Brasília, DF,2001. p.185

GALVÃO, C. R. C.; BARROSO, B. I. de L.; GRUTT, D. de C. A tecnologia assistiva e os cuidados específicos na concessão de cadeiras de rodas no Estado do Rio Grande do Norte. Caderno de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 21, n. 1, p.11-18, 2013. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiao- cupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/725/409. Acesso em: 15 mar. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Sinopse do censo demográfico de 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 27 abr. 2015.

JACOB FILHO, W. Geriatria e Gerontologia: o que todos devem saber. São Paulo: Roca, 2008.

MELLO, M. A. F. Adequação postural para o usuário de cadeira de rodas. São Paulo, 1995. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/32601/000786744.pdf? sequence=1. Acesso em: 14 mar. 2015.

MENEZES, A. K. Avaliação funcional do idoso versus avaliação clínica tradicional.

In: Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia - Rio De Janeiro, Caminhos do envelhecer.

Rio de Janeiro: Revinter, 1994.

MESQUITA, G. V. Morbimortabilidade em idosos por fratura proximal do fêmur. Artigo Original, Florianópolis, p.67-73, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v18n1/v18n1a08. Acesso em: 26 abr. 2015.

MUNIZ, A. M. S.; MORO, A. R. P.; ÁVILA, A. O. Um estudo comparativo da curvatura vertebral na posição em pé e sentada a partir da reconstituição 3D. In: Congresso Brasileiro de Biomecânica, 7. Anais do VII Congresso Brasileiro de Biomecânica. Florianópolis: SBB, p.255-259, 1999.

NETTO, M. P.; BRITO, F. C. Urgências em Geriatria. 1.ed. São Paulo: Atheneu, 2001.

PERRACINI, M. R.; RAMOS, L. R. Fatores associados a quedas em uma coorte de idosos residentes na comunidade. Revista de Saúde Pública. v.36, n.6, p. 709-716, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102002000700008. Acesso em: 12 de abr. 2015.

PEREIRA, S. R. M. Repercussões sócio-sanitárias da “epidemia” das fraturas do fêmur sobre sobrevivência e a capacidade funcional do idoso. 2003. 164 f. Tese (Doutorado em Medicina)- Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública, Rio Janeiro. Disponível em: http://teses.icict. ocruz.br/ pdf/pereirasrmd.pdf. Acesso em: 24 abr. 2015.

ROCHA, E. F.; CASTIGLIONI, M. C. Reflexões sobre recursos. Revista de Terapia Ocupacional. Universidade São Paulo, v.16; n.3, p.97-104, set/dez, 2005.

SAKAKI, M. H. et al. Estudo da mortalidade da fratura do fêmur proximal em idosos. In: Acta

Ortopédica Brasileira, v.12, p.242-249, out-dez, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S1413-78522004000400008. Acesso em: 21 abr. 2015.

SILVA, L. C. O design de equipamentos de tecnologia assistiva como auxílio no desempenho das atividades de vida diária de idosos e pessoas com deficiência, socialmente institucionalizados. 2011. 104 f. Dissertação (Mestrado em Design)-Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/ 10183/32601. Acesso em: 24 mar. 2015.

PAIXÃO JÚNIOR, C. M. Síndromes na prática geriátrica. In: VERAS, R. Formação Humana em Geriatria e Gerontologia: uma perspectiva interdisciplinar. Rio Janeiro: Rosania Rolins, Cap. 12. p.271-296, 2006. Disponível em: http://www.portalinclusivo.ce.gov.br/phocadownload/cartilhasaudeidoso/formaohumanaemgeriatriaegerontologia-umaperspectivainterdisciplinar.pdf. Acesso em: 02 maio 2015.