Um modelo de valorização do processo criativo sobre os artefactos anónimos

Ana Afonso, Rui Miguel Ferreira Roda

Resumo


Existem várias correntes de análise do Design enquanto disciplina, dentre as quais pretendemos relevar a que reflecte sobre o desperdício de recursos decorrente de ciclos de moda e tendências. Com essa análise em mente, recupera-se a abordagem aos artefactos que designamos anónimos: objectos do quotidiano, que evoluíram ao longo do tempo tornando-se extremamente funcionais e universais, adquirindo significado e influenciando a conduta diária do utilizador.
No âmbito da investigação sobre a relevância destes artefactos, que se encaram como inspiradores para o desenvolvimento de novos produtos, pretende-se promover a reflexão e intervenção sobre os artefactos anónimos no âmbito nacional. Partindo do estudo do impacto e influência destes artefactos no quotidiano dos utilizadores, será apresentada uma proposta de modelo para a sua valorização através do design, relevando o impacto na produção local e a implantação na comunidade. 


Palavras-chave


design; modelo de desenvolvimento; revalorização; anónimo; quotidiano

Texto Completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. (2010). O artefacto anónimo como potenciador do desenvolvimento em design. (Mestrado) Aveiro: Universidade de Aveiro.

ALMEIDA, P. (2006). Identidade e marca: recursos estratégicos para a competitividade das organizações da indústria portuguesa do calçado. (Mestrado) Aveiro: Universidade de Aveiro.

ANTONELLI, P. (2005). Humble Masterpieces: everyday marvels of design. Nova Iorque: Regan Books. BASSI, A. (2008). Design Anonimo in Italia, Oggetti Comuni e Progetto Incognito. Milão: Electa.

BRANDES, U., STICH, S., & WENDER, M. (2009). Design by Use: The Everyday Metamorphosis of Things. Berlim: Birkhäuser.

CASTIGLIONI, A. (2007). Projects: Industrial Design. Acedido a a 19 Abril, 2010, em http://www. achillecastiglioni.it/

CONNERTON, P. (1999). Como as Sociedades Recordam (2a ed.). Oeiras: Celta.

FUKASAWA, N., & MORRISSON, J. (2007). Super Normal, Sensations of the ordinary. Milão: Lars Muller Publishers.

GIDDENS, A. (1998). As Consequências da Modernidade (4a ed.). Oeiras: Celta.

MUNARI, B. (1993). Das coisas nascem coisas. Lisboa: Edições 70.

NORMAN, D. (2004). Emotional Design - Why we love (or hate) everyday things. Nova Iorque: Basic Books.

PARRA, P. (2009). Ícones do Design. Em Colecção Paulo Parra (Ed.). Évora: C. M. Évora.

RICARD, A. (2000). La Aventura Creativa, Las Raíces del Diseño. Barcelona: Ariel.

SHOVE, E., WATSON, M., HAND, M., & INGRAM, J. (2007). The Design of Everyday Life. Oxford: Berg.

SWANN, C. (2002). Action Research and the Practice of Design. Design Issues, 18(1), 49-61.