Identificar características empreendedoras em crianças? O potencial da história dramatizada

Inês Silva, Beatriz Pereira, Aurora Teixeira

Resumo


Em cada pessoa existe um potencial empreendedor sendo a educação para o empreendedorismo o meio mais eficaz para o dinamizar e promover (Dolabela, 2008). Contudo, como abordar um tema tão complexo com crianças? Objetivo: Identificar a existência ou não de características empreendedoras em contexto de narração de história em crianças. Participantes: Uma turma do 1º ano com 18 alunos e uma de 3º ano com 19 alunos entre os 6 e os 9 anos (7,2±1,1) de uma escola de Braga. Instrumentos/Procedimentos: Construíram-se categorias e subcategorias suportadas pela revisão da literatura que determinaram as características empreendedoras a avaliar. Elaborou-se uma história construída de raiz, tendo por base o tema piratas e a procura de tesouros. Trata-se de uma história dinâmica, em que, cada uma das suas etapas termina com um desafio ou questão para os alunos. Assim, estes podem assumir-se como personagens, dar sugestões argumentadas sobre o caminho a seguir na história e ainda fazer opções entre várias possíveis. A história foi aplicada, em cada um dos anos de escolaridade, em grupos focais, de seis crianças. Discussão dos resultados: A observação das diferentes subcategorias permitiram-nos verificar comportamentos positivos (CP), inversos (CI) e não observados (CNO). Constatamos que em cinco das oito categorias a maioria dos alunos as revelou de forma positiva com destaque para a “Autoconfiança” e “Relações interpessoais” e ainda que aquelas em que se verificou maior percentagem de alunos que manifestaram CI foram a “Autoconfiança”, “Relações interpessoais” destacando-se a “Persistência/Resistência ao Fracasso. As categorias em que mais se verificaram CNO foram a “Liderança / Tomada de decisão” e “Organização e Planeamento”. São necessárias mais investigações de forma a reunir um número considerável de contribuições para a validação de um instrumento que se adapte à linguagem da criança e que, de uma forma lúdica e motivadora, permita identificar características empreendedoras.

Palavras-chave


características empreendedoras; crianças; instrumento; histórias

Texto Completo:

PDF

Referências


- Alencar, E. (2007). Criatividade no Contexto Educacional: Três Décadas de Pesquisa. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23, pp. 45-49.

- Almasan, D., & Álvaro, A. (2006). A importância do senso de limites para o desenvolvimento da criança. Revista Científica Eletrônica de Psicologia, pp. 1-7.

- Angeli, A., Luvizaro, N., & Galheigo, S. (2012). O cotidiano, o lúdico e as redes relacionais: a artesania do cuidar em terapia ocupacional no hospital. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 16 (40), pp. 261-271.

- Bardin, L. (2014). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

- Bussato, C. (2006). A arte de contar histórias no século XXI: tradição e ciberespaço. Petrópolis, RJ: Vozes.

- Centro Educativo Alice Nabeiro (CEAN). (2009). Manual para treinar o empreendedorismo em crianças dos 3 aos 12 anos - Ter Ideias para Mudar o Mundo. Centro Educativo Alice Nabeiro.

- Chiavenato, I. (2007). Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor: empreendedorismo e viabilidade de novas empresas: um guia eficiente para iniciar e tocar seu próprio negócio. São Paulo.

- Comissão das Comunidades Europeias. (2006). Aplicar o Programa Comunitário de Lisboa: Promover o espírito empreendedor através do ensino e da aprendizagem. Bruxelas.

- Direcção Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (DGIDC). (2006). Educação para a Cidadania - Guião de educação para o empreendedorismo.

- Dohme, V. (2003). Além do encantamento: Como as histórias podem ser um instrumento de aprendizagem. Fundação EDUCAR DPaschoal

- Dolabela, F. (2008). Oficina do Empreendedor. Rio de Janeiro: GMT Editores Ltda.

- Dornelas, J. (2008). O Processo Empreendedor. Editora Elsevier.

- Projeto Empreender Na Escola (ENE). (2004). Manual do Aluno - Guia para elaboração do Plano de Negócios. Algarve, Portugal: Centro Promotor de Inovação e Negócios do Algarve.

- Ferreira, W., & Pereira, R. (2015). A Contribuição da Literatura na Educação Infantil. Rev Educ, 18 (25), pp. 53-57.

- Kuip, I., & Verheul, I. (2003). Early Development of Entrepreneurial Qualities: the Role of Initial Education. SCALES - Scientific Analysis of Entrepreneurship and SMEs, pp. 1-27.

- Malheiro, R., Ferla, L., & Cunha, C. (2005). Viagem ao Mundo do Empreendedorismo (2ª edição ed.). Florianópolis: Instituto de Estudos Avançados.

- Maroco, J. (2007). Análise Estatística com Utilização do SPSS. Lisboa: Edições Sílabo.

- Mendes, F. (2012). Start iUPi - Fazer Coisas. Oeiras: Blue Go, LDA.

- Moreno, L. (2009). O lúdico e a contação de histórias na educação infantil. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, 10 (97), pp. 228-241.

- Oliveira, Z. (2010). Fatores influentes no desenvolvimento do potencial criativo. Estudos de Psicologia, 27 (1), pp. 83-92.

- Silva, M., Correia, M., Scholten, M., & Gomes, L. (2008). Cultura nacional e orientação empreendedora: Um estudo comparativo entre Brasil e Portugal. Comportamento Organizacional e Gestão, 14 (1), pp. 65-84.