O projeto Business Week: descrição e avaliação da 11º edição do Programa Internacional Intensivo em Empreendedorismo (PIIE)

Teresa Costa, Pedro Mares

Resumo


A sociedade atual baseada no conhecimento valoriza o papel da inovação. Esta contribui para uma sociedade mais empreendedora e geradora de mais crescimento económico, de mais emprego e mais competitiva. Assim, a educação para o empreendedorismo ganha uma relevância cada vez maior, e a aquisição de atitudes e competências empreendedoras por parte dos estudantes, torna-se um fator diferenciador muito valorizado pelo mercado de trabalho.
Por outro lado, a educação internacional também é crucial hoje em dia, porque permite superar as barreiras culturais e linguísticas e promove o conhecimento e compreensão de outras culturas, línguas, comportamentos e realidades, preparando os alunos para serem líderes globais eficazes e empreendedores.
O projeto Business Week oferece um Programa Internacional Intensivo em Empreendedorismo (PIIE). O objetivo principal do PIIE é de apoiar os alunos a criarem uma ideia de negócio e desenvolverem um pequeno plano de negócios para apresentar aos restantes grupos.
Este estudo pretende descrever e avaliar o Programa Internacional Intensivo em Empreendedorismo (PIIE), que ocorre durante a Business Week no Instituto Politécnico de Setúbal (Escola Superior de Ciências Empresariais). O estudo foi dividido em duas partes. A primeira parte inclui uma abordagem conceptual baseada na revisão de literatura sobre educação do empreendedorismo e educação internacional e a segunda parte apresenta uma avaliação feita com base nas opiniões dos estudantes sobre a Business Week de Setúbal.
Os resultados do estudo permitiram concluir a utilidade do programa PIIE, em termos de competências adquiridas e satisfação relativa aos vários componentes do programa, assim como uma grande satisfação no que concerne à experiência em geral, não somente na componente pedagógica mas também social. Os professores também demonstraram interesse e satisfação em abordagens mistas, combinando a contribuição do conhecimento dos professores, assim como a experiência de empreendedores e de especialistas não académicos.


Palavras-chave


ensino superior; empreendedorismo; programa internacional

Texto Completo:

PDF

Referências


Blenker, P. & Christensen, P. R. (2010). Hunting the entrepreneurial expertise: entrepreneurs in education. Handbook of research in entrepreneurship education, Vol. 3, Edited by Alain Fayolle, Edward Elgar, Northampton, MA, USA, 43-53.

Carvalho, L., Costa, T. e Dominguinhos, P. (2009). Creating an entrepreneurship ecosystem in higher education. Technology, Education and Development, Austria: I-TECH Education and Publishing.

Comissão Europeia (2002). Relatório Final do Grupo de Peritos – Projecto sobre Educação e Formação para o Desenvolvimento do Espírito Empresarial no Âmbito do Procedimento Best. Publicações DG Empresa. Bruxelas.

Comissão Europeia (2012), Resíduos – uma via para criação de emprego e redução de custos, Comunicado de imprensa, Reference: IP/12/18 Event Date: 13/01/2012, disponível em : http://www.europedirect.uac.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1216:sector-dos-residuos-pode-representar-400-mil-postos-de-trabalho-ate-2020&catid=37:ce&Itemid=94.

Cope, J. & Watts, G. (2000). Learning by doing. An exploration of experience, critical incidents and reflection in entrepreneurial learning. International Journal of Entrepreneurial Behaviour and Research, 6(3), 104–24.

Costa, T. e Carvalho, L. (2012). A educação para o empreendedorismo como facilitador da inclusão social. Revista Lusófona de Educação, Centro de Estudos e Intervenção em Educação e Formação (CEIEF) e Instituto de Educação – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 19, 103-118.

Crossman, E. J. & Clarke, M. (2010). International experience and graduate employability: stakeholder perceptions on the connection, Higher Education, 59, 599–613.

Goby, V. (2007). Business communication needs. Journal of Business and Technical Communication, 21(4), 425–437.

Heinone, J. & Poikkijoki, S. (2006). An entrepreneurial-directed approach to entrepreneurship education: mission impossible?. Journal of Management Development, 25(1), 80-94.

Hermans, J. (2007). High potentials: A CEO perspective. Journal of Studies in International Education, 11(3/4), 510–521.

Lans, T. & Gulikers, J. (2010). Assessing entrepreneurial competence in entrepreneurship education and training. Handbook of research in entrepreneurship education, Vol. 3, Edited by Alain Fayolle, Edward Elgar, Northampton, MA, USA, 54-70.

Marginson, S. (2000). Rethinking academic work in the global era. Journal of Higher Education Policy and Management, 22(1), 23–35.

Ministério da Educação. Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (2009). Relatório síntese Projecto Nacional de Educação para o Empreendedorismo 2006/2009, disponível em http://www.dgidc.min-edu.pt/educacaocidadania/index.php?s=directorio&pid=48.

Ó Cinnéide, B. (2010). The creative industries and entrepreneurship education: the potential contribution of student-oriented case studies, Handbook of research in entrepreneurship education, Vol. 3, Edited by Alain Fayolle, Edward Elgar, Northampton, MA, USA, 25-42.

Politis, D. (2008). The process of entrepreneurial learning. A conceptual framework, in R.T. Harrison and C.M. Leitch (eds), Entrepreneurial Learning, Abingdon: Routledge, 44–71.

Shepherd, D. A. (2004). Educating entrepreneurship students about emotion and learning from failure. Academy of Management Learning & Education, 3(3), 274–87.

Stohl, C. (2001). Globalizing organizational communication, In F. Jablin & L. Putnam (Eds.), The new handbook of organizational communication, accessing theory, research and methods. Thousand Oaks:Sage.

Welch, A. & Denman, B. (1997). Internationalization of higher education: Retrospect and prospect, Forum of Education, 52, 14–29.

Yin, R. K. (2009). Case study research: Design and methods (4th ed.). Thousand Oaks, CA: Sage.

Yin, R.K. (2005). Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman.