Práticas da educação para o empreendedorismo no ensino superior: o caso da atividade pedagógica “Empreendedor por 1 dia”

Teresa Costa, Simone Galina, Pedro Mares, Pedro Alves

Resumo


A criação de melhores empregos constitui preocupação buscada por vários países. Uma forma de se conseguir este objetivo é desenvolvendo atitudes, conhecimento e competências empreendedoras, o que deve ser estimulado em qualquer momento da vida académica dos indivíduos. Assim, a educação para o empreendedorismo ganha premência e a criação de negócios como opção de carreira surge como uma oportunidade cada vez mais importante. Deste modo, várias metodologias de ensino são desenvolvidas e testadas, sendo o learning by doing e o trabalho desenvolvido pelos estudantes tão próximo quanto possível de ambientes de trabalho reais, cada vez mais relevantes.
Este artigo tem como objetivo geral descrever uma atividade pedagógica desenvolvida na disciplina de empreendedorismo no Instituto Politécnico de Setúbal (Portugal) e posteriormente implantada também na Universidade de São Paulo (Brasil). O principal objetivo desta atividade consiste um proporcionar aos estudantes uma experiência de serem empreendedores, desenvolvendo um mini-negócio, desde o surgimento da ideia até à sua concretização. Especificamente pretende-se relatar as várias fases envolvidas, salientado aspetos relevantes em cada uma, assim como compreender, as atitudes e competências empreendedoras desenvolvidas, as dificuldades sentidas e estratégias adotadas ao longo do desenvolvimento da atividade.
Os resultados do estudo, suportados nos dados obtidos através de focus group com estudantes permitiram concluir a utilidade desta atividade, em termos de atitudes empreendedoras desenvolvidas, assim como em termos de capacidade de reflexão e de aprendizagem com os erros e dificuldades vividas. Na comparação entre as duas instituições de ensino dos dois países distintos, poucas variações foram percebidas, sendo que foram alcançados os objetivos de educação empreendedora numa atividade de educação para o empreendedorismo.


Palavras-chave


educação para o empreendedorismo; inovação; pedagogia; learning by doing

Texto Completo:

PDF

Referências


Birdthistle, N., Hynes, B., e Fleming, P. (2007). Enterprise education programmes in secondary schools in Ireland - A multi-stakeholder perspective. Education + Training, 49 (4), 265-276.

Carvalho, L., Costa, T. e Dominguinhos, P. (2009). Creating an entrepreneurship ecosystem in higher education. Technology, Education and Development, Austria: I-TECH Education and Publishing.

Cheung, C-K. (2008). Entrepreneurship education in Hong Kong’s secondary curriculum: Possibilities and limitations. Education + Training, 50 (6), 500-515.

Comissão Europeia (2012), Resíduos – uma via para criação de emprego e redução de custos, Comunicado de imprensa, Reference: IP/12/18 Event Date: 13/01/2012, disponível em : http://www.europedirect.uac.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=1216:sector-dos-residuos-pode-representar-400-mil-postos-de-trabalho-ate-2020&catid=37:ce&Itemid=94.

Comissão Europeia (2002). Relatório Final do Grupo de Peritos – Projecto sobre Educação e Formação para o Desenvolvimento do Espírito Empresarial no Âmbito do Procedimento Best.Publicações DG Empresa. Bruxelas.

Costa, T. e Carvalho, L. (2012). A educação para o empreendedorismo como facilitador da inclusão social. Revista Lusófona de Educação, Centro de Estudos e Intervenção em Educação e Formação (CEIEF) e Instituto de Educação – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, 19, 103-118.

Fernandes, R. (2013). Breve histórico do ensino de empreendedorismo no Brasil. Disponível em: bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rgnn/article/download/60813/59032.

Heinone, J. &Poikkijoki, S. (2006). An entrepreneurial-directed approach to entrepreneurship education: mission impossible?. Journal of Management Development, 25(1), 80-94.

Jones, C. & English, J. (2004).A contemporary approach to entrepreneurship education, Education + Training, Vol. 46, 8/9 pp. 416 - 423

Lundström, A. e Stevenson, L. (2002). On the road to entrepreneurship policy. Stockholm: Swedish Foundation for Small Business Research.

Ministério da Educação. Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (2009a). Relatório síntese Projecto Nacional de Educação para o Empreendedorismo 2006/2009, disponível em http://www.dgidc.min-edu.pt/educacaocidadania/index.php?s=directorio&pid=48.

Paço, A., Ferreira, J., Raposo, M., Rodrigues, R., e Dinis, A. (2011a). Behaviours and entrepreneurial intention: Empirical findings about secondary students. Journal of International Entrepreneurship, 9 (1), 20-38.

Paço, A., Ferreira, J., Raposo, M., Rodrigues, R., e Dinis, A. (2011b). Entrepreneurial intention among secondary students: Findings from Portugal. International Journal of Entrepreneurship and Small Business, 13 (1), 92-106.

Peterman, N. e Kennedy, J. (2003). Enterprise education: influencing students' perceptions of entrepreneurship. Entrepreneurship Theory and Practice, vol. 28 (2), pp 129–144.

SEBRAE & Endeavor (2016). Empreendedorismo nas universidades brasileiras. Disponível em https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Relatorio%20Endeavor%20impressao.pdf

Segal, G., Borgia, D. and Schoenfeld, J. (2005), The motivation to become an entrepreneur. International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, vol. 11, No. 1, pp. 42-57.

Yin, R. K. (2009). Case study research: Design and methods (4th ed.). Thousand Oaks, CA: Sage.

Yin, R.K. (2005). Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman.