Avaliação da influência de fatores associados a alterações climáticas nas fases larvares de rã verde (Pelophylax perezi)

Carlos A Marques, Inês Junqueira, Ruth Pereira, Fernando JM Gonçalves, Sérgio Marques

Resumo


As alterações climáticas têm um profundo impacto na biota, e os anfíbios estão entre as espécies mais vulneráveis devido às suas características únicas, como a incapacidade de manter uma temperatura corporal estável e a elevada dependência de água. Desta forma, é crucial avaliar a influência que alguns fatores, potencialmente modificados com as alterações climáticas, terão em espécies de anfíbios, nomeadamente nas vulneráveis fases larvares. Com este objetivo, foram expostas larvas de Pelophylax perezi a diferentes temperaturas (16, 20, 24, 28ºC) e densidades populacionais (10, 20, 40, 80 indivíduos/L), analisando características morfológicas (e.g. tamanho) e biomarcadores de stress oxidativo (glutationa peroxidase, glutationa redutase, glutationa-S-transferase e peroxidação lipídica) para avaliar a influência no estado antioxidante do organismo. Como resultado, observou-se que comparativamente à temperatura mais baixa, a mais elevada potenciou a velocidade de crescimento e o tamanho alcançado na fase de desenvolvimento 25. Adicionalmente, na temperatura mais elevada, os níveis de peroxidação lipídica foram reduzidos comparativamente aos níveis apresentados pelos restantes grupos expostos. Para baixas densidades populacionais, os organismos atingiram maiores comprimentos e apresentaram maior capacidade antioxidante. Os resultados revelaram que parâmetros associados às alterações climáticas podem ter impacto direto no desenvolvimento dos anfíbios e nos mecanismos associados à resposta fisiológica a fatores de stress que poderão, em última análise, diminuir o fitness.

Palavras-chave


alterações climáticas; anfíbios; atividade antioxidante; fases larvares; rã-verde

Texto Completo:

PDF