Uma tradução cultural da Odisseia de Homero em quadrinhos ou os fios sutis e tenazes que amarram a modernidade e a antiguidade

Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa, Piero Bagnario

Resumo


Trata-se de um relato de pesquisa desenvolvido com o propósito de traduzir culturalmente e em quadrinhos a Odisseia de Homero. A empreitada é uma tentativa de recuperar a força imagética do texto antigo. No processo não foi privilegiado o conteúdo narrativo, mas, antes, o estilo e os recursos retóricos típicos da linguagem homérica utilizados no texto grego. Assim, nos dedicamos a associar a linguagem dos quadrinhos, a retórica antiga e a música, especificamente a música brasileira, com o processo narrativo alargando possibilidades de leitura do poema épico grego e traduzindo-o para nossa cultura.

Palavras-chave


Homero; quadrinhos; tradução; adaptação

Texto Completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. (2005), “Elas brigam como bichos e morrem por amor: as vivan-deiras uma leitura de personagens femininas na literatura do sul”: Espéculo. (2005): http://pendientedemigracion.ucm.es/info/especulo/numero31/ elasbri.html

ARVELLOS, J. (1876), “Vivandeira”: Trovador: Modinhas, recitativos árias, lundús, etc. vol. III. Rio de Janeiro, Livraria Popular de A. A. da Cruz Coutinho (1876) 64-66.

BANDEIRA, M. (1980), “Tragédia brasileira”, Antologia poética. Rio de Janeiro: José Olympio Editora (1980) 98-99.

BARBOSA T. V. R.; BAGNARIOL, P. (2013) Odisseia de Homero em quadrinhos. Roteiro e tradução de Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa; ilustração de Piero Bagnariol. São Paulo, Peirópolis.

BARBOSA T. V. R.; BAGNARIOL, P. et alii (2012), Ilíada em quadrinhos. Roteiro e tradução de Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa; Andreza Caetano e Paulo Corrêa; ilustração de Piero Bagnariol. Belo Horizonte, RHJ.

BARBOSA, T. V. R., Guerini A. (2012), Pescando imagens com rede textual: Hq como tradução. São Paulo, Peirópolis.

BARBOSA T. V. R. (2013), “A Ilíada em quadrinhos: por uma difusão dos clásicos”: Ágora. Estudos Clássicos em Debate 15 (2013), 265-292.

BENJAMIN, W. (2008), “A tarefa do tradutor em tradução de João Barrento”: L. C. BRANCO, Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Belo Horizonte, Fale/UFMG (2008) 82-98.

BORGEAUD, P. (1974), “The Open Entrance to the Closed Palace of the King: The Greek Labyrinth in Context”: History of Religions 14.1 (1974) 1-27.

BORGES, J. L. (1999), “Kafka e seus precursores”: Outras inquisições. Obras completas. vol. 2. São Paulo, Globo (1999) 96-98.

CAMPOS, H. (1999), “Transcriar Homero: desafio e programa”: T. VIEIRA (ed.) Os nomes e os navios II: Homero, Ilíada. Rio de Janeiro, Sette Letras (1999) 111-155.

CAMPOS, H. (1994), “Para transcriar a Iliada: Homero”: H. CAMPOS e T. VIEIRA (ed.) ΜΗΝΙΣ, a ira de Aquiles: canto I da Iliada de Homero. São Paulo, Nova Alexandria (1994) 11-28.

CAMPOS, H. (1977), A arte no horizonte do provável. São Paulo, Editora Perspectiva.

CAMPOS, H. (2013), “A tradução como instituição cultural”: M. TÁPIA e T. NÓBREGA (org.) Haroldo de Campos - transcriação. São Paulo, Perspectiva (2013) 207-210.

CARVALHO, M. M. (2008), Vivendo a vida verdadeira: vivandeiras, mulheres em outras frentes de combates. Tese. Brasília: UnB. disponível em http:// repositorio.unb.br/bitstream/10482/7790/1/2008_MariaMeireCarvalho.pdf

CORNELLI, Gabriele. (2012), “O belo antro e a grande oliveira: recepções da alegoria da caverna na tradição neoplatônica”: Educação e Filosofia. v. 26, n. 51 (2012) 93-112.

DIAS, Gonçalves (1969), “I-Juca-pirama”: Antologia Poética. Rio de Janeiro: Agir.

DRUMMOND DE ANDRADE, C. (1978), “Quadrilha”: Antologia Poética. Rio de Janeiro, José Olympio Editora (1978) 136.

EVEN-ZOHAR, I. (1979), “Polysystem theory”: Poetics Today 1 (1979) 287-310.

FREIRE, Paulo. (1982), A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo, Autores Associados: Cortez.

GENETTE, Gérard. (1980), “O dia; a noite”: R. BARTHES, R. JAKOBSON et alii (org.). Linguística e Literatura, Tradução de Isabel Gonçalves e Margarida Barahona, Lisboa, Edições 70 (1980) 43-61.

GUERINI, A.; COSTA, W. E TORRES, M. C. (orgs.) (2011), Literatura & tradução: textos selecionados de Jose Lambert. Rio de Janeiro, 7Letras.

FERNÁNDEZ-GALIANO, M. (1983), “Introducción”: HOMERO. Odisea. Madrid, Gredos, 7-95.

HOMERO (1959), The Odyssey of Homer. W. B. Stanford (ed.) 2 vols. London, St. Martins Press.

HOMERO (2011), Odisseia, a epopeia das Auroras. Trad., introd. e notas de Donaldo SCHÜLER: HOMERO. Odisseia. vol. I Porto Alegre, RS: L & PM Pocket.

FLORES, H. A. H. (2010), Mulheres na Guerra do Paraguai. Porto Alegre, Editora Universitária da PUCRS.

JAKOBSON, R. (1989), Lingüística e Comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes, São Paulo, Cultrix.

MIRÓ, A. L. (música) e PALMERIM, L. A. (letra). (1857), “Vivandeira”, Lisboa, J. I. Canongia & Cia.

MONSERRAT, V. J. (2009), “Los artrópodos en la numismática de Grecia y Roma clásicas”: Boletín de la Sociedad Entomológica Aragonesa (S.E.A.) 50 (2009) 591‒629

PAES, J. P. (1990), Tradução a ponte necessária. São Paulo, Editora Ática.

RELLA, F. (1987), “Eros and Polemos: The Poetics of the Labyrinth”: Assemblage 3 (1987) 30-37

SERRES, M. (2001), Os cinco sentidos. Trad. de Eloá Jacobina. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

SILVA, J. N. de S. (1878), Himnos, canções e lundus tanto amorosos como sentimentais. Rio de Janeiro: B. L. Garnier.




A revista Ágora. Estudos Clássicos em Debate está indexada em: Arts and Humanities Citation Index – ISI Web of Knowledge | LATINDEX | QUALIS | SCOPUS | EBSCO Publishing