Homero Árcade: uma análise da tradução da Marquesa de Alorna para o Canto I da Ilíada

Emerson Cerdas, Joana Junqueira Borges

Resumo


O período árcade valorizou a prática da tradução, em especial dos clássicos greco-latinos, que se tornaram a fonte principal dos ideais de verdade, natureza, razão, clareza, conjugando na poesia a utilidade e o prazer. Uma importante representante desse período é a Marquesa de Alorna que, entre outras experiências tradutórias, traduziu o Canto I da Ilíada de Homero. Assim, buscaremos analisar de que forma se realiza a tra-dução da Marquesa, a partir das reflexões sobre o traduzir que veiculavam em sua época.

Palavras-chave


Marquesa de Alorna; Homero; tradução; tradição

Texto Completo:

PDF

Referências


ALORNA, M. de (1812), Poetica de Horatio, e o Ensaio sobre a crítica, de Alexandre Pope em portuguez. Londres, T. Harper, Jun. Crane Court, Fleet Street.

ALORNA, M. de (1844), Obras Poéticas de D. Leonor d’Almeida Portugal Lorena e Len-castre, Marquesa d’Alorna, Condessa d’Assumar e d’Oeynhausen, conhecida entre os poetas portugueses pelo nome de Alcipe. Lisboa, Imprensa Nacional. 6 vols.

ALORNA, M. de (2007), Sonetos. Introdução, organização, fixação do texto, notas e bibliografia de ANASTÁCIO, V. Rio de Janeiro, 7Letras.

CAMÕES, L. (1859), Os Lusíadas. Notas e prefácio de C. L. de Moura. Paris, Firmin Didot.

CIDADE, H. (1959), Lições de Cultura e Literatura Portuguesas. v.2. Coimbra, Coimbra Editora, Limitada.

GARÇÃO, C. (1982), Obras completas. Org. SARAIVA, A. J. 2.ed. 2 vols. Lisboa, Livraria Sá da Costa.

HOMER (1937), Iliad. Trad. De A. T. Murray. London, Willian Heinemann Ltd; Cambridge/Massachusets, Harvard University Press.

HOMERO (1874), Ilíada. Trad. Manuel Odorico Mendes. Rio de Janeiro, Typographia Guttemberg.

KIRK, G. (1968), Los poemas de Homero. Trad. de Eduardo J. Prieto. Buenos Aires, Paidós.

MALTA, A. (2012), “De Pope a Odorico: Homero em dois Tempos”: Homero Múltiplo: ensaio sobre a épica grega. São Paulo, Editora Universidade de São Paulo.

MILTON, John (1998), Tradução: teoria e prática. São Paulo, Martins Fontes.

POPE, A. (2011), “Prefácio à Ilíada”: Os escritos clássicos sobre a tradução: a teoria dos escritores ingleses augustanos sobre a tradução. São Paulo, Humanitas: Capes.

REBELO, L. de S. (1982), “A tradução dos Clássicos Gregos e Latinos em Portugal: A Tradição Clássica na Literatura Portuguesa. Lisboa, Livros Horizonte, 1982, 179-193.

ROMERO, S. (1960), História da Literatura Brasileira. 5 vols. Rio de Janeiro, José Olympio. Vol. III.

RUEDAS DE LA SERNA, J. A. (1995), Arcádia: tradição e mudança. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.

TEIXEIRA, I. (1999), Mecenato pombalino e a poesia neoclássica. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.

VERNEY, L. A. (1746), Verdadeiro método de estudar. Valência, Oficina de Antonio Balle.

VIEIRA, B. V. G. (2011), “A permanência de Lucano na literatura lusófona”: VIEIRA, B. V. G. e THAMOS, M (Orgs). Permanência clássica: visões contemporâneas da antiguidade greco-romana. São Paulo, Escrituras editora (Coleção ensaios transversais).

VIEIRA, T. (1999) “Entre Joyce e Odorico: a Ilíada de Haroldo de Campos: CAMPOS, H. de. Os nomes e os navios. Homero, Ilíada, II. Tradução de Haroldo de Campos. Organização, introdução e notas de Trajano Vieira. Rio de Janeiro, 7Letras, 1999.




A revista Ágora. Estudos Clássicos em Debate está indexada em: Arts and Humanities Citation Index – ISI Web of Knowledge | LATINDEX | QUALIS | SCOPUS | EBSCO Publishing