O princeps e o poeta: considerações sobre a estrutura e o arranjo interno do Livro 8 de Marcial

Robson Tadeu Cesila

Resumo


A arquitetura interna de um livro de poesia, isto é, o arranjo ou disposição dos poemas em seu interior, pode afetar a interpretação tanto do poema individualmente quanto do conjunto de que ele faz parte (o livro). No caso da obra de Marcial, cujos volumes de epigramas se revelam cuidadosamente estruturados, esse aspecto também não pode ser ignorado. Neste artigo, descrevemos como estão arranjados os epigramas no interior do Livro 8. Tentamos demonstrar também que tal disposição visa, sobretudo, a contribuir com o objetivo maior do poeta, que é a construção do louvor do dedicatário e figura dominante do livro: o imperador Domiciano.

Palavras-chave


Marcial; epigrama; Livro 8; Domiciano; arranjo interno do livro

Texto Completo:

PDF

Referências


CESILA, R. T. (2004), Metapoesia nos epigramas de Marcial: tradução e análise. Dissertação (Mestrado em Linguística) — Programa de Pós Graduação em Linguística. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas (Brasil).

CESILA, R. T. (2005), “Saturnais: uma época para ler Marcial”: Phaos 5 (2005) 13‐19.

CESILA, R. T. (2008), O palimpsesto epigramático de Marcial: intertextualidade e geração de sentidos na obra do poeta de Bílbilis. Tese (Doutorado em Linguística) — Programa de Pós Graduação em Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas (Brasil).

CESILA, R. T. (2013), “As Bucólicas de Virgílio e o epigrama 8.55 de Marcial: intertextualidade, mecenato e uma recusatio implícita”: Classica 24.1 (2011) 113‐137.

CESILA, R. T. (2017a), Epigrama: Catulo e Marcial. Campinas, Editora da Unicamp.

CESILA, R. T. (2017b), “Tópicas horacianas nos epigramas de Marcial: o carpe diem”: Phaos 17.1 (2017) 7‐34.

CITRONI, M. (1975), M. Valerii Martialis Epigrammaton Liber I. Introduzione, texto, apparato critico e commento a cura di M. Citroni. Firenze, La Nuova Italia Editrice.

CITRONI, M. (2004), “Martial, Pline le Jeune, et l’identité du genre de l’épigramme latine”: Dictynna [on‐line] 1 (2004) 125‐153. Disponível em . Acesso em 11/08/2017.

DEZOTTI, J. D. (1990), O epigrama latino e sua expressão vernácula. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) — Programa de Pós Graduação em Letras Clássicas, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (Brasil).

PIMENTEL, C. S. et alii. (2001), Marcial. Epigramas. Vol. III. Tradução de D. F. LEÃO (livro VII), J. L. BRANDÃO (livro IX) e P. S. FERREIRA (livro VIII); introdução e notas de C. S. PIMENTEL. Lisboa, Edições 70.

SHACKLETON BAILEY, D. R. (1993), Martial. Epigrams. Edited and translated by D. R. SHACKLETON BAILEY. 3 vol. Cambridge (Massachusetts), Harvard University Press.

SUETONIUS (1914), The Lives of the Caesars. With an English translation by J. C. ROLFE. 2 vol. Londres, William Heinemann; Nova Iorque, Macmillan.

SULLIVAN, J. P. (1991), Martial: the unexpected classic: A Literary and Historical Study. Cambridge, Cambridge University Press.

WALTZ, P. et alii. (1928), Anthologie Grecque (Anthologie Palatine). Texte établi e traduit par Pierre Waltz et alii. Tome I. Paris, Les Belles Lettres.

WOLFF, É. (2008), Martial ou l’apogée de l’épigramme. Rennes, Presses Universitaires de Rennes.




A revista Ágora. Estudos Clássicos em Debate está indexada em: Arts and Humanities Citation Index – ISI Web of Knowledge | LATINDEX | QUALIS | SCOPUS | EBSCO Publishing