Egressos de enfermagem: potencialidades no processo de formação profissional para inserção no mercado de trabalho

Aline Fernandes Lima, Letícia Corrêa Santana Lopes, Ana Maria Nassar Cintra Soane, Aldaíza Ferreira Antunes Fortes

Resumo


Objetivo: conhecer as potencialidades no processo de formação profissional para inserção no mercado de trabalho na óptica de egressos de um Curso de Graduação em Enfermagem de Itajubá, Minas Gerais. Metodologia: trata-se de uma abordagem qualitativa, do tipo exploratório, descritivo e transversal, sem adoção de um tipo de amostragem. A pesquisa foi desenvolvida na cidade de Itajubá situada no sul do estado de Minas Gerais, Brasil, e realizada com 30 enfermeiros, com funções na área hospitalar e Saúde Coletiva, utilizando-se um guião de entrevista semiestruturada. O estudo apresenta, portanto, as potencialidades no processo de formação profissional para inserção e atuação no âmbito da atenção primária e atenção secundária à saúde na óptica de egressos de enfermagem. Os dados obtidos foram analisados sobre o referencial da Teoria das Representações Sociais adotando o Discurso do Sujeito Coletivo como método de análise. Resultados: emergiram 12 Representações Sociais, entre as quais prevaleceram “Ensino teórico-prático”, “Diversidade dos campos de estágio curricular”, “Instituição de ensino conceituada”, “Ética profissional” e “Cobrança intensa dos docentes”. Conclusões: evidencia-se a necessidade da manutenção e fortalecimento das potencialidades desenvolvidas no processo de formação do profissional enfermeiro. É necessário que as instituições almejem adaptar-se às novas habilidades e competências que o mercado de trabalho exige para atender às reais necessidades da população, satisfazendo, deste modo, as pretensões das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Enfermagem.


Texto Completo:

PDF


Indagatio Didactica | ISSN: 1647-3582

Indexada em
: CAPES/QUALIS (categoria ENSINO, B2 (2015) || RCAAP
Avaliada com o factor de impacto SJIF 2016 = 5.079


Este trabalho é financiado por Fundos Nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto UID/CED/00194/2013.