A metamorfose em Claude Crébillon

Ana Alexandra Seabra de Carvalho

Resumo


Neste artigo, estudaremos os sentidos da metamorfose em quatro narrativas de Claude Crébillon: Le Sylphe, ou Songe de Madame de R*** écrit par elle-même à Madame de S*** (1730); L’Écumoire ou Tanzaï et Néadarné. Histoire japonoise (1734); Le Sopha. Conte moral (1742); e Ah Quel Conte! Conte politique et astronomique (1754). Enquanto contista, o autor recupera e transforma um vasto fundo cultural onde se cruzam as diferentes tradições associadas ao maravilhoso. Os vários sentidos da metamorfose serão aqui considerados quer enquanto processo estético-literário problematizador do exotismo maravilhoso na literatura coeva, quer como um meio lúdico e transgressor de criticar tanto a moral e os costumes excessivamente hedonistas, como as manobras do poder político. Assim, nestas obras, o processo da metamorfose está ao serviço da visão crítica sobre a literatura e a sociedade que caracteriza a poética de Crébillon.

Palavras-chave: Metamorfose, Crébillon, Crítica Social e Literária

Texto Completo:

PDF


ISSN: 1646-7698   |   © 2011 APEF   |   Todos os direitos reservados

By Creative Labor / SDUA